terça-feira, 31 de julho de 2012

E você refaz o caminho...

E chega uma hora que cansa. Cansa dar atenção a quem não merece, a quem não retribui, a quem não reconhece. Cansa se preocupar com quem não se importa como você está. Cansa gostar de alguém que não entende, que não quer. E você acha que precisa se reinventar.

Você começa a reler sua história; refazer seus caminhos; podar as amizades, os pensamentos, as palavras, as atitudes. Começa a rever valores, amores. Começa a questionar comportamentos, decisões, conceitos. E aí, você começa a ver que passamos a vida querendo ser amados e, muitas vezes, esquecemos de nos amar. Abandonamos a nós mesmos para cuidar do outro, quando, na verdade, precisamos cuidar de nós em primeiro lugar. E isso não é egoísmo. Isso é amor-próprio, o amor mais importante e aquele que é essencial. É impossível amar e deixar-se ser amado se não há amor-próprio, em qualquer relação que seja.

O ruim de cansar é que você desacredita. Desacredita nas pessoas, nos sentimentos, em você. E é aí que você conclui que precisa se reinventar, mesmo sabendo que você está no caminho certo, só não está sendo reconhecido por isso. Querer fazer bem aos outros é uma virtude, não é se anular. Fazer as pessoas felizes é um dom que poucos têm. Atenção, carinho e bom-humor são características cada vez mais escassas no mundo fútil e de valores distorcidos em que vivemos. E por quê, então, mudar? Porque você deixa se contaminar. Vander Lee canta “Mas a vida anda louca, as pessoas andam tristes e meus amigos são amigos de ninguém”. Você tenta não se reinventar, mas se fecha, veste uma cortina de ferro até que se sinta seguro de novo. E aí, outro ciclo se inicia.

6 comentários:

  1. É bem assim mesmo. A gente "veste uma cortina de ferro" afim de evitar toda a dor por que já passou...
    Amar dói.

    ResponderExcluir
  2. "Querer fazer bem aos outros é uma virtude, não é se anular. Fazer as pessoas felizes é um dom que poucos têm." Lindo, Flávia

    ResponderExcluir
  3. Perfeito Flávia! Estou exatamente nesse processo de reinvenção, de sentir-me disposta novamente, pq a sensação de cansaço tira o brilho das coisas, mas não podemos esquecer que nós temos sempre opção. A felicidade é de dentro para fora, por isso essas situações são importantes para nos lembrar que não devemos colocar nossas expectativas em outros, mas sim saber que podemos fazer sempre mais e melhor, pq somos fortes, independentes, livres e espertinhas de mais para sermos passivas da vida. Né! adorei

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bem, Fabielly! E se agente pensar assim, não fica parada no tempo, não fica fadada a esperar a felicidade vindo de fora. Obrigada e felicidades!!!

      Excluir